Literatura de Cordel

Também conhecida no Brasil como folheto, é um gênero literário popular escrito frequentemente na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos. O nome tem origem na forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para venda, pendurados em cordas, cordéis ou barbantes em Portugal. No Nordeste do Brasil o nome foi herdado, mas a tradição do barbante não se perpetuou: o folheto brasileiro pode ou não estar exposto em barbantes. Alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, também usadas nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores, ou cordelistas, recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola, como também fazem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores. 

Sobre mim

Meu nome é Fábio Alves Vieira Poeta-Cordelista.

Graduado em Letras pela Universidade Estadual de Alagoas, nasceu em 26 de fevereiro de 1984 em Pão de Açúcar-AL, todavia, reside e trabalha como servidor público municipal em São José da Tapera-AL.

Leia mais

 

Contate-me

Você está querendo saber mais sobre o meu trabalho ou indicar um tema para um novo folheto? Fique à vontade pode deixar o seu comentário ou compartilhe ideias.

Contate-me